Joaçabense recebe em Brasília Prêmio MPT na Escola

Em cerimônia realizada no último dia 11, no auditório da Procuradoria Geral do Trabalho, em Brasília, estudantes, educadores, Procuradores do Trabalho, Ministros do Tribunal Superior do Trabalho e outras autoridades reuniram-se para a realização da premiação dos vencedores da etapa nacional do MPT na Escola.

Joaçabense recebe em Brasília Prêmio MPT na Escola
Joaçabense recebe em Brasília Prêmio MPT na Escola

O projeto MPT na Escola tem por objetivo fomentar a participação de crianças e adolescentes nas ações de mobilização, conscientização e prevenção do trabalho infantil;  conscientizar as famílias sobre os malefícios do trabalho infantil; fortalecer o sistema de garantia de direitos das crianças e dos adolescentes; e, especialmente, reconhecer e divulgar tanto os melhores trabalhos produzidos pelos alunos quanto a dedicação dos educadores envolvidos nas ações de prevenções à violação dos direitos de crianças e adolescentes.

Em Santa Catarina, 1.293 trabalhos disputaram a etapa estadual. As inscrições foram feitas a partir da capacitação de educadoras de escolas públicas dos municípios de Joaçaba e Videira pelo Ministério Público do Trabalho, no primeiro semestre de 2017. Após tomarem conhecimento da importância da erradicação da exploração do trabalho infantil e do Projeto do MPT na Escola, o tema foi abordado em sala de aula com as alunas e os alunos, que desenvolveram os trabalhos.

Destes trabalhos, cinco conquistaram colocações de destaque na etapa nacional do prêmio MPT na Escola: Na categoria curta-metragem, as estudantes Amanda Cristina dos Santos e Sofia Gabriela Huf da Escola Nossa Senhora de Lurdes, de Joaçaba, conquistaram a 5ª colocação, com o filme “Trabalho Infantil, um crime contra a vida“.  Na categoria desenho, o aluno Guilherme Fabiano Oliveira da Costa, da Escola Frida Regensburger, de Joaçaba, conquistou o 5º lugar com o trabalho “Os meninos sonhadores“. Na categoria conto, a aluna Sofia Gabriela Huf, da Escola Nossa Senhora de Lurdes,  ficou em 3º lugar com o trabalho “O condomínio que não se desenvolvia“. Na categoria poesia, a estudante Franciely Deitos, do Núcleo Pedagógico Rural de Joaçaba, atingiu o 6º lugar. Na categoria música, as estudantes Teodora Bonatto, Gabriela Shultz,  Amanda Feldrin e Ana Oliveira, da Escola Esther Crema Marmentini, de Videira, conquistaram a 8ª colocação.

Conforme o regulamento do projeto nacional, aqueles que atingissem as cinco primeiras colocações receberam uma compensação financeira pelos trabalhos desenvolvidos, tendo sido destinados R$ 240.000,00 ao total. Assim, os trabalhos elaborados pelos catarinenses receberam o valor total de R$ 16.000,00 (R$ 8.000,00 para 3º lugar e R$ 4.000,00 para 5º lugar). O valor de cada prêmio será dividido entre os(as) alunos(as), professores(as), coordenadores(as) do projeto na escola e coordenadores(as) municipais do projeto.

Por ter alcançado o 3º lugar na categoria conto e também o 5º lugar na categoria curta-metragem, a aluna Sofia Gabriela Huf, do quinto ano da Escola Nossa Senhora de Lurdes de Joaçaba, teve sua ida à Brasília custeada pela Procuradoria do Trabalho no Município de Joaçaba para receber o prêmio, acompanhada de sua mãe, Ruth Vartha Huf; da coordenadora municipal do Projeto em Joaçaba e diretora da Escola, Elizalda Casagrande; e da coordenadora pedagógica da Escola, Marivete Pires.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Veja agora

Mulher é presa após furtar TV do CREAS de Herval d’Oeste

Por volta das 02h20 desta sexta-feira (12/07) a Polícia Militar foi acionada para prestar atendimento …