Governo anuncia acordo para suspender a greve. Porém categoria continua com a paralisação

24_05_2018_adchjhfj
Foto:Ministro Eliseu Padilha

Após uma reunião de mais de seis horas com representantes de entidades de caminhoneiros, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo), Eduardo Guardia (Fazenda) e Valter Casimiro (Transportes) anunciaram na noite desta quinta-feira (24) a proposta do governo de um acordo para a suspensão da paralisação da categoria, que há quatro dias provoca bloqueios de rodovias e desabastecimento em todo o país.

Pelo texto do acordo, os representantes das entidades de caminhoneiros que participaram da reunião (à exceção de um) se comprometeram a “apresentar aos manifestantes” os termos do acordo.

Questionado se, com o anúncio, haverá normalização da situação, Padilha disse acreditar que a “qualquer momento” o movimento dos caminhoneiros começará a ser “desativado”.

Os pontos do acordo

Pela proposta, o governo federal assume os seguintes compromissos:

  • reduzir a zero a alíquota da Cide, em 2018, sobre o óleo diesel, bem como as necessárias providências decorrentes dessa medida;
  • manter a redução de 10% no valor do óleo diesel a preços na refinaria, já praticados pela Petrobras, nos próximos trinta dias, considerando as necessárias compensações financeiras pela União à Petrobras, no intuito de garantir a autonomia da estatal;
  • assegurar a periodicidade mínima de 30 dias para eventuais reajustes do preço do óleo diesel na refinaria, a partir do preço definido pelo critério do item b, considerando as necessárias compensações financeiras pela União à Petrobras, no intuito de garantir a autonomia da estatal;
  • reeditar, no dia 1º de junho de 2018, a Tabela de Referência do frete do serviço do transporte remunerado de cargas por conta de terceiro, bem como mantê-la atualizada trimestralmente, pela ANTT;
  • promover gestão junto aos estados da federação, para implementação da isenção da isenção da tarifa de pedágio prevista no art. 17 da Lei nº 13.103, de 2015 (não cobrança sobre o eixo suspenso em caminhões vazios). Em não sendo bem sucedida a tratativa administrativa com os estados, a União adotará as medidas judiciais cabíveis;
  • editar medida provisória, em até 15 dias, para autorizar a Conab a contratar transporte rodoviário de cargas, dispensando-se procedimento licitatório, para até 30% de sua demanda de frete, para cooperativas ou entidades sindicais da categoria dos transportadores autônomos;
  • não promover a reoneração da folha de pagamento do setor de transporte rodoviário de cargas;
  • requerer a extinção das ações judiciais possessórias, ou de qualquer outra natureza, propostas pela União em face das entidades relacionadas com o movimento paredista de caminhoneiros de que trata este termo;
  • informar às autoridades de trânsito competentes acerca da celebração do presente Termo, para instrução nos eventuais processos administrativos instaurados em face das entidades ou de seus associados em decorrência de atos praticados no curso do movimento paredista;
  • manter com as entidades reuniões periódicas para acompanhamento do adimplemento dos compromissos estabelecidos neste Termo, ficando desde já estabelecido o prazo de quinze dias para a celebração do próximo encontro;
  • buscar junto à Petrobras a oportunização aos transportadores autônomos à livre participação nas operações de transporte de cargas, na qualidade de terceirizados das empresas contratadas pela estatal;
  • solicitar à Petrobras que seja observada a Resolução/ANTT nº 420, de 2004, no que diz respeito à renovação da frota nas contratações de transporte rodoviário de carga.

Caminhoneiros:

Os representantes dos caminhoneiros se comprometem a “apresentar aos manifestantes” a proposta. “As entidades reconhecem o empenho do governo federal em buscar soluções para atender às demandas das categorias representadas pelas entidades, bem como se comprometem a apresentar aos manifestantes o presente termo para a suspensão do movimento paredista por 15 dias, quando será realizada nova reunião com o governo federal para acompanhamento do adimplemento dos compromissos estabelecidos nesse termo”, diz o texto.

Por parte das entidades em greve, assinaram a proposta de acordo:

  • Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA)
  • Confederação Nacional do Transporte (CNT)
  • Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens)
  • Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Distrito Federal (Sindicam-DF)
  • Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg)
  • Federação Interestadual dos Transportes Rodoviários Autônomos de Cargas e Bens da Região Nordeste (Fecone)
  • Federação dos Transportadores Autônomos de Cargas do Estado de Minas Gerais (Fetramig)
  • Federação dos Transportadores Autônomos de Carga do Espírito Santo (Fetac-EC)

De acordo com o ministro Eliseu Padilha, a única entidade que não assinou foi a União Nacional dos Caminhoneiros.

Apelo:

O ministro Padilha fez um apelo aos caminhoneiros para retomarem as atividades. Ele mencionou a dificuldade para a entrega de medicamentos a hospitais e de produtos aos supermercados.

“Nós precisamos que todos vocês, caminhoneiros, retomem a atividade. O Brasil precisa de vocês”, afirmou.

Caminhoneiros continuam em greve:

Caminhoneiros não aceitam proposta e continuam em Greve
Caminhoneiros não aceitam proposta e continuam em Greve em Joaçaba

O acordo anunciado entre governo federal e lideranças do movimento dos caminhoneiros não desmobilizaram as manifestações em 21 estados e no Distrito Federal nesta sexta-feira (25). Em São Paulo, os caminhoneiros continuam bloqueando a Rodovia Règis Bittencourt, na altura do Rodoanel. A prefeitura da capital paulista anunciou a suspensão do rodízio de veículos e da coleta de lixo. Cerca de 30% da frota de ônibus da cidade ficará na garagem em razão da escassez de combustível.

Em Santos,litoral paulista, a manifestação segue impedindo a entrada e saída no porto. No Rio Grande do Sul, são pelo menos 16 pontos de protestos nas rodovias estaduais e federais. A prefeitura de Porto Alegre decretou situação de emergência. No Rio de Janeiro, não há registros de bloqueios na Região Metropolitana, mas os caminhões-tanque da Petrobras não saíam da garagem na manhã desta sexta-feira. Em Manaus, a manifestação bloqueia estradas federais e estaduais e cerca de 20% da frota de ônibus deixou de circular na cidade. No Recife, apenas metade da frota de ônibus está nas ruas. Em Teresina (PI), a redução alcança 30%.

Em Porto Alegre (RS), Palmas (TO) ,Fortaleza (CE) e Rio de Janeiro as associações de donos de postos de gasolina afirmam que quase toda a totalidade dos estabelecimentos estão sem combustível.

Fonte: G1

Veja agora

Mutirão de limpeza ocorreu no último sábado às margens de trecho da BR-282

No último sábado (08), os Agentes de Combate às Endemias e 3 Agentes Comunitários de …