Prefeitura despeja mãe e filho de 3 anos de casa popular no Armindo de Medeiros

O setor de habitação da prefeitura de Joaçaba cumpriu nesta manhã uma ordem judicial de despejo e retirou de uma casa popular no bairro Armindo de Medeiros Haro uma mãe e seu filho de 3 anos.

Prefeitura despeja mãe e filho de 3 anos de casa popular no Armindo de Medeiros
Prefeitura despeja mãe e filho de 3 anos de casa popular no Armindo de Medeiros

Todos os objetos pessoais da moradora e do filho foram retirados do local e colocados em veículos da prefeitura. Marta Teresa Vieira revelou ao Portal Éder Luiz que entrou no local há quase 2 anos, mas antes disso teria passado ao menos 8 anos tentando conseguir uma moradia no mesmo bairro. Ainda segundo ela, neste tempo que ficaram no local não tinham luz e nem água. “Procurei ajuda com o município de Joaçaba e ninguém fez nada pra me ajudar”, desabafou.

A ordem de despejo foi cumprida por funcionários da habitação, com apoio de um oficial de justiça e da Polícia Militar. No despacho concedendo ao município a reintegração do imóvel, a justiça determinava que a medida fosse acompanhada por funcionários do setor social da prefeitura.

A moradora recebeu um prazo para sair do imóvel, mas tentou por este período argumentar com a prefeitura e permaneceu. Por não ter saído é que a ordem de despejo foi cumprida.

A moradora despejada disse que no momento do desejo não recebeu a informação de qual local serão levados seus móveis e demais objetos. “Não tenho pra onde ir com meu filho, não tenho dinheiro para pagar aluguel. Ainda bem que ele foi para a escola, coitadinho”, disse entre lágrimas.

Prefeitura se manifesta

O vice-prefeito Juscelino Ferraz que responde também pelo setor social do município esclareceu a situação.

Segundo ele, a moradora recebeu a informação do despejo em outubro do ano passado e teve todo este prazo para deixar o local, pois outra família, com maior necessidade foi sorteada para receber o imóvel.

” O Conselho de Habitação, ainda na gestão passada, teria definido por sorteio quem ganharia a casa, por ordem de necessidade. Na época a Marta ficou suplente. No ano passado uma senhora com dois filhos foi sorteada para a casa, pelo cadastro ela tem mais necessidade do imóvel. Como a casa foi invadida, a família que está esperando foi punida.” Comentou Ferraz.

O vice-prefeito informou ainda que Marta está na lista para receber uma casa e ficou como suplente de um novo processo que está tendo seu andamento. “Era era a 7ª da lista de quatro casas disponíveis. Por ordem de prioridade, avaliada pelo Conselho de Habitação, que é um órgão independente e sem interferência política. Nesta avaliação, quatro famílias mais carentes vão receber seu imóvel assim que a Caixa liberar os cadastros”.

Fonte: Éder Luiz

Veja agora

Mutirão de limpeza ocorreu no último sábado às margens de trecho da BR-282

No último sábado (08), os Agentes de Combate às Endemias e 3 Agentes Comunitários de …