Chapecoense recebe homenagens em Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro

A Chapecoense deveria decidir na noite desta quarta-feira o título da Sul-Americana. Era a data marcada para a segunda partida contra o Atlético Nacional. O sonho de conquistar o continente, porém, foi interrompido pela queda do avião que levava o time catarinense à Colômbia. Foram 71 mortos – entre eles, 19 jogadores da Chape. Esta noite de 7 de dezembro, que deveria ser de sonho, virou um período de homenagens ao clube em diferentes lugares do Brasil – em Curitiba, em Porto Alegre, no Rio de Janeiro.

Em Porto Alegre

Na final da Copa do Brasil, na Arena do Grêmio, jogadores, torcedores e jornalistas foram às lágrimas com o minuto de silêncio em respeito às vítimas. Atletas das duas equipes abraçaram-se, no centro do campo, com profissionais de imprensa – 20 jornalistas também morreram na tragédia.

Muitos torcedores foram ao estádio com bandeiras e cartazes homenageando o clube catarinense. Gremistas ergueram faixas com os nomes das vítimas e abriram um bandeirão que costuma aparecer na Arena Condá.

Foto: Roberto Vinícius / Gazeta Press
Foto: Roberto Vinícius / Gazeta Press

A bola da final ganhou o escudo da Chape, e as crianças que entraram em campo com os atletas de Grêmio e Atlético-MG vestiram a camisa do clube do oeste catarinense e portaram a bandeira da Colômbia – que se mostrou tão solidária com a dor dos brasileiros. Teve até tricolor indo ao estádio com cabelo pintado de verde. A cor também foi usada no uniforme da arbitragem e na camisa do técnico Renato Portaluppi.

Guilherme Biteco, irmão de Matheus Biteco, uma das vítimas do acidente, foi ao estádio vestindo camisa da Chapecoense – a camisa que o irmão vestia. Eles foram formados juntos no Grêmio.

Em Curitiba

Torcidas rivais se uniram no apoio à Chape. Em Curitiba, milhares de torcedores foram ao Couto Pereira prestar homenagens. Eles criaram um clima impressionante: acenderam sinalizadores, cantaram como se fosse jogo, entoaram gritos de “Vamo, vamo, Chape”. O estádio seria o palco da final da Sul-Americana – já que a Arena Condá não tinha capacidade mínima para receber a final. Camisas de Coritiba, Atlético-PR e Paraná conviveram em paz na reverência às vítimas da tragédia.

O estádio ficou lotado. Torcedores estenderam faixas de apoio e abriram uma camisa gigante do Coritiba, mas com o símbolo da Chapecoense, na arquibancada. Foram distribuídas placas como lembrança às 71 vítimas. Crianças seguraram velas enquanto a torcida gritava “é campeão” nas arquibancadas.

No Maracanã

Torcedores de todos os grandes clubes do Rio também se uniram em homenagem à Chapecoense. O palco, claro, foi o Maracanã. Os cariocas se reuniram na saída da estação de metrô e de lá rumaram ao estádio, onde deram as mãos e promoveram um abraço simbólico no Maracanã.

Torcedores fazem homenagens no Rio de Janeiro
Torcedores fazem homenagens no Rio de Janeiro

A maioria vestiu roupas brancas e verdes, as cores da Chape. Torcedores levaram bandeiras e cartazes com mensagens de carinho à Chapecoense. Eles cantaram, um a um, os nomes dos jogadores do time catarinense.

Com informações do Globoesporte.com

Veja agora

Falta de recolhimento do lixo gera novas reclamações em Herval d’Oeste. Prefeitura contratou nova empresa em caráter emergencial

Diversas reclamações chegaram ao jornalismo da Rádio Líder na manhã desta segunda-feira, 04, referente a …